América Latina em 2016: a queda nas exportações e a instabilidade desacelerarão o crescimento?

Há alguns anos, as exportações de commodities latino-americanas prosperavam, enquanto os analistas saudavam o advento das maiores economias da região ― entre elas a do Brasil, Chile, Colômbia e México ― ao círculo estreito das principais nações emergentes.

Isso acabou. A América Latina, em geral, sofreu uma queda de 14% nas exportações no ano passado, enquanto os países da América do Sul, em especial, sofriam uma queda ainda mais acentuada de 21% em suas exportações coletivas. O ano de 2015 foi o terceiro ano consecutivo desse declínio que se acentuou espalhando-se para praticamente todos os países da região, conforme dados do Banco Inter-Americano de Desenvolvimento (BID).

Isto fez com que a LatinFocus Consensus Forecasts de Barcelona, na Espanha, reduzisse o crescimento do PIB da região para 0,6% apenas em 2016. “Não há sinais de mudanças nas tendências dos preços dos mercados de commodities. Além disso, espera-se que a desaceleração da atividade econômica prossiga na China e na América Latina”, de acordo com o BID. As duas únicas estrelas da região são o México e a América Central, onde a forte demanda dos EUA “pode instilar dinamismo às exportações”, acrescentou o BID. “A contração do comércio, que é a pior desde o colapso de 2009, é um sinal de alerta para a necessidade de se introduzirem políticas que permitam a diversificação das exportações”, observa Paolo Giordano, economista chefe de Integração e do Setor de Comércio do BID e coordenador do relatório.

É óbvio que no caso de países que dependem tanto de commodities, a queda dos preços é preocupante, diz Mauro Guillén, professor de administração da Wharton. “No México e na Colômbia a situação é muito melhor porque esses países têm uma estrutura de exportação mais diversificada por produto e dependem mais dos EUA ou da Europa para suas exportações […] Os EUA, no contexto global, não está se saindo muito mal economicamente.”

Dupla maldição

Felipe Monteiro, pesquisador sênior do Instituto Mack de Gestão da Inovação da Wharton, explica que o crescimento baseado em commodities que a América Latina experimentou é uma dupla maldição para a região. “Não é um comércio equilibrado e é também muito volátil, uma vez que depende excessivamente dos preços das commodities [que são voláteis]. Você se beneficia daqueles anos de crescimento, mas há também momentos terríveis de depressão. Quando as relações comerciais não dependem tanto das commodities, os preços variam de um modo mais dosado. Os preços das commodities variam com muita rapidez ― de um jeito ou de outro.”

Os países exportadores de petróleo foram os mais afetados pela queda acentuada dos preços. De acordo com o BID, a Venezuela (menos 49%) e a Colômbia (menos 35%) tiveram as maiores taxas de contração no total de suas exportações em 2015 em volumes medidos em dólares, seguidos da Bolívia, Equador e Trinidad e Tobago. El Salvador e Guatemala foram os dois únicos países em que as exportações subiram devido a um forte aumento em suas remessas de açúcar para a China. As exportações totais da América Latina para a China tiveram uma queda de 14%, enquanto as expectativas de uma recuperação nas exportações para os EUA foram neutralizadas, sobretudo pela queda no valor do petróleo, que resultou na redução de vendas para os EUA de 7%.

Walter Kemmsies, economista sênior da Moffatt & Nichol, consultoria de desenvolvimento de infraestrutura, distingue entre tendências de demanda para commodities industriais e commodities agrícolas. De um lado, as exportações de commodities industriais incluem commodities de energia, metais e agregados. As exportações agrícolas incluem tudo, desde grãos, açúcares e sementes até proteínas.

Com relação às exportações de commodities industriais, a demanda do minério de ferro latino-americano pela China vem crescendo ultimamente mais devagar do que as companhias de mineração em países como o Brasil, Chile e Peru previam há alguns anos. Diz Kemmsies: “Em geral, cerca de US$ 4,5 trilhões em dívida foram emitidas durante os últimos três ou quatro anos para a construção de novas minas e conexões entre minas e portos, estradas de ferro ― um volume considerável de investimento na produção de coisas que dependem do minério de ferro. Há quatro ou cinco anos, não havia no Brasil capacidade suficiente de exportação portuária disponível capaz de lidar com tonelagens quatro ou cinco vezes maiores do que o volume total de tonelagem gerenciada no mundo antes daquela época. Foi então que as empresas de mineração e de energia do bilionário brasileiro Eike Batista entraram em colapso. Ele acabou se tornando literalmente ‘um canário na mina de carvão.'” [A expressão deriva da prática antiga e comum de levar canários para minas de carvão. Caso estivesse presente um gás venenoso, o canário morreria antes dos mineiros, alertando sobre um perigo iminente].

Pesos pesados da mineração como a Rio tinto e a BHP “tinham investido exageradamente em capacidade ― e o crescimento do consumo não foi suficiente para absorver tudo isso”, acrescentou Kemmsies. “Há um desequilíbrio na oferta e na demanda de minérios de ferro. O mesmo acontece com o cobre e vários metais. Assim, com o dólar se fortalecendo cada vez mais, e a demanda de metais industriais pela China em declínio constante, os preços entraram em colapso.”

Por outro lado, diz ele, “o comércio agrícola segue em ritmo decente. As regiões da América Latina que dependem das exportações agrícolas estão se saindo bem. Não é o caso, porém, de outras que dependem das exportações de matérias-primas industriais e de energia.”

Kemmsies acrescenta: “Os preços dos produtos agrícolas também baixaram, mas não na mesma medida que os preços industriais. Antes da entrada explosiva da China em cena, o preço médio da soja era de US$ 2 alqueires (bushel); mas depois subiu e chegou a US$ 17 o alqueire em 2012. Hoje, ele está entre US$ 8,75 e US$ 9,50. Contudo, se compararmos os preços da soja com os níveis de dez a 15 anos atrás, veremos que atualmente eles são três vezes maiores. Hoje o petróleo retomou o patamar onde estava em 2004-2005.”

Brasil: uma infinidade de incertezas

No caso do Brasil, de longe a nação mais populosa e a maior economia da região, o novo ano traz incertezas econômicas e políticas. De um lado, a economia brasileira contraiu formidáveis 4,5% no terceiro trimestre de 2015 em relação há um ano antes. De acordo com estimativas do Fundo Monetário Internacional, em 2015 o produto interno bruto brasileiro encolheu 3% e deverá encolher 1% em 2016. “O Brasil começa o ano com inúmeras incertezas”, diz Monteiro. “Há muitas interrogações.”

No final de 2015, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, se demitiu, e foi substituído por Nelson Barbosa. Levy, que ficou menos de um ano no ministério, favoreceu a austeridade fiscal e outras reformas cujo propósito era tornar a economia brasileira mais competitiva. O mandato de Levy foi marcado por conflitos constantes dentro da equipe econômica do governo. Em 2015, a economia brasileira mergulhou em recessão. Ao mesmo tempo, a inflação disparou e ultrapassou 10%. O país foi rebaixado para o grau de crédito especulativo por duas grandes agências de risco, a Fitch e a Standard & Poor’s. Levy queria um superávit maior, ao passo que Barbosa favorece uma margem menor de economia para 2016.

A presidente Dilma Rousseff endossou a posição de Barbosa e pediu ao Congresso que reduzisse o superávit esperado de 0,7% do PIB pra 0,5%. Ao mesmo tempo, a presidente enfrenta acusações de corrupção em grande escala, na medida em que um volume maior de informações vêm à tona sobre as conexões entre a estatal do petróleo Petrobrás e políticos na época em que ela presidia a diretoria da empresa. Em dezembro do ano passado, o Supremo Tribunal Federal decidiu que a presidente não pode ser alvo de impeachment com base nos procedimentos atuais que pretendem destituí-la do cargo. Os juízes decidiram que é preciso uma nova votação para que se instale o processo de impeachment, cabendo ao Senado a decisão final este ano.

O Brasil tem muitos problemas, diz Guillén, “mas o problema imediato do país é a inflação que pode sair do controle. Com a economia em profunda recessão, não há uma saída óbvia. Os preços das commodities estagnaram, ou, em alguns casos, continuam a cair”. No Brasil, como na maior parte dessas outras economias, diz ele, “o problema é que não foram feitos os investimentos que deveriam ter sido feitos nos anos de prosperidade, quando as coisas iam bem, quando havia muito dinheiro decorrente da venda de commodities. Essa é a tragédia de tudo isso”.

Monteiro acrescenta: “Quando olhamos para 2016, fica evidente que uma porção dessas coisas que, conforme se esperava, deveriam estar resolvidas agora, continuam a pressionar. Não se sabe quando o país sairá dessa paralisia ― embora o processo de impeachment já tenha sido deflagrado formalmente. Não há indicação clara do possível desfecho dessa situação, ou de quanto tempo isso levará.”

Apesar de tais incertezas, Monteiro adverte que não se devem comparar as dificuldades da economia brasileira com as de seu país vizinho, a Argentina. Embora ambos os países tenham sofrido com a queda dos preços das commodities globais, Monteiro observa que a “indústria e o setor de negócios do Brasil são muito mais diversificados e em escala diversa.” Ele acrescenta que “embora a Argentina tenha passado por tantos anos de deterioração, a boa nova é que o novo governo parece ser mais transparente. É promissor o fato de que o novo presidente eleito, Mauricio Macri, seja uma pessoa favorável aos negócios. Essa é nossa esperança. Contudo, a economia da Argentina se deteriorou muito mais do que a brasileira. Comparando a Argentina com o Brasil ― é preciso reconhecer que a economia brasileira se deteriorou, mas não no mesmo nível que a do país vizinho. O Brasil não tem sofrido tanto quanto a Argentina, que hoje não tem acesso aos mercados financeiros e enfrenta restrições elevadas de importação”.

Monteiro prossegue: “Creio que há um lado positivo nisso tudo para cada um desses países. De um lado, a Argentina tem […] novas esperanças e um novo governo, mas a situação do país está bastante deteriorada. No Brasil, essa esperança ainda não existe. As pessoas não sabem exatamente o que vai acontecer.” Contudo, no que se refere aos índices, a economia brasileira é muito mais forte, acrescentou.

No caso do Brasil, 2016 também oferece uma oportunidade ao mesmo tempo positiva e desafiadora: o Rio de Janeiro sediará os Jogos Olímpicos de Verão num momento em que a situação econômica do país e a estabilidade política local estão ambas em situação de risco. Até mesmo a abrangência do impacto econômico das Olimpíadas de 2016 foi posto em dúvida ultimamente, dada a situação de crise econômica do país.

Guillén concorda com esse ponto de vista e diz que o clima no Brasil atualmente é de “muito pessimismo, porque a inflação está fora de controle e a presidente tem muito pouca margem de manobra para convencer as pessoas a se envolverem com as reformas, uma vez que seu índice de aprovação é extremamente baixo, menos de 10%. “A terrível situação econômica por que passa o país se deve, em grande parte, à valorização do dólar e aos problemas da China”, diz. “Outro fator é a situação política interna do país.”

Kemmsies observa que os fundos usados para a construção das instalações olímpicas teriam melhor destino se fossem usados na construção de estradas, portos etc. De acordo com Monteiro, os jogos “terão impacto apenas limitado” sobre o atraso econômico. “Haverá efeitos positivos, mas principalmente para o Rio de Janeiro. Diferentemente da copa do Mundo de 2012, os Jogos Olímpicos serão disputados em uma única cidade, portanto haverá maior concentração. Há uma dupla esperança: de um lado, no que se refere à infraestrutura que permanecerá depois dos jogos, o Rio será beneficiado. E o Brasil, que vive hoje em meio a notícias tão ruins, terá a oportunidade de se recompor. Espero que até lá, então, a situação política esteja mais clara. Todavia, eu não apostaria tanto na ideia de que os Jogos Olímpicos, de algum modo, compensarão os efeitos negativos” da crise atual.

Até mesmo o Chile, outra estrela em ascensão entre as nações emergentes durante os anos de prosperidade, não desfruta mais hoje de uma situação confortável, observa Guillén. “O Chile costumava ser um país com desempenho relativamente bom; entretanto, também isso foi, de certa forma, uma ilusão. O país confiou nos preços elevados das commodities, por isso não está em situação muito melhor do que os demais países”, disse Guillén, apesar de uma produção mais diversificada: vinhos e frutas de alta qualidade que exporta para os EUA e outros mercados estrangeiros.

Citando a Universia Knowledge@Wharton

Close


Para uso pessoal:

Por favor, use as seguintes citações para referências de uso pessoal:

MLA

"América Latina em 2016: a queda nas exportações e a instabilidade desacelerarão o crescimento?." Universia Knowledge@Wharton. The Wharton School, University of Pennsylvania, [13 January, 2016]. Web. [29 May, 2020] <http://www.knowledgeatwharton.com.br/article/america-latina-em-2016-a-queda-nas-exportacoes-e-a-instabilidade-desacelerarao-o-crescimento/>

APA

América Latina em 2016: a queda nas exportações e a instabilidade desacelerarão o crescimento?. Universia Knowledge@Wharton (2016, January 13). Retrieved from http://www.knowledgeatwharton.com.br/article/america-latina-em-2016-a-queda-nas-exportacoes-e-a-instabilidade-desacelerarao-o-crescimento/

Chicago

"América Latina em 2016: a queda nas exportações e a instabilidade desacelerarão o crescimento?" Universia Knowledge@Wharton, [January 13, 2016].
Accessed [May 29, 2020]. [http://www.knowledgeatwharton.com.br/article/america-latina-em-2016-a-queda-nas-exportacoes-e-a-instabilidade-desacelerarao-o-crescimento/]


Para fins Educacionais/Empresariais, use:

Favor entrar em contato conosco para usar com novos propósitos artigos, podcasts ou vídeos através do nosso formulário de contato para licenciamento de conteúdo. .

 

Join The Discussion

No Comments So Far