Seis tipos de jujubas: Como a percepção de variedade influencia o consumo

Barbara Kahn refere-se a elas como selvas de doces – as lojas de confeitos a granel que se tornaram padrão nos shopping centers americanos. Caixas plásticas forram as paredes de cima a baixo: balinhas em forma de peixe, balas de goma azedinhas, gomas de melancia florescentes e jujubas formam brilhantes traços verticais de néon nas paredes brancas. Crianças maravilhadas tentam encher sacos de celofane que parecem não ter fundo.

 

“Ao entrar nestas lojas, tem-se a impressão de estar em um restaurante chinês”, diz Kahn, professora de marketing da Wharton e autora de inúmeros estudos sobre supermercados e marketing de alimentos. “Muitas coisas parecem estar acontecendo. Porém, se examinarmos com mais cuidado, veremos que existe muita repetição. Há três tipos diferentes de jujubas vermelhas, por exemplo; elas são apenas cortadas em diferentes formatos.”

 

Kahn estava intrigada com essa variedade de confeitos e com a reação um tanto frenética dos consumidores. As pessoas compram mais quando vêem o que parece ser uma variedade ilimitada? Afinal, a criação de uma percepção visual de atividade e uma abundância de escolhas aumentam o consumo?

 

Sim, aumentam, descobriu Kahn após uma série de experiências que ela e o professor Brian Wansink da Universidade de Illinois estarão publicando em uma futura edição do Journal of Consumer Research. Em seu trabalho, intitulado “The Influence of Assortment Structure on Perceived Variety and Consumption Quantities”, constataram que a percepção de variedade, mesmo quando ilusória, estimula as pessoas a consumir mais. A pesquisa de Kahn e Wansink reforça outros estudos recentes que desafiam crenças antigas de que a capacidade das pessoas de controlar a comida, os gastos e o exagero de indulgência em geral tem a ver somente com a força de vontade ou a falta dela. Os cientistas sociais estão descobrindo agora que fatores ambientais, incluindo tamanho da porção, preço e número de escolhas apresentadas, também têm o seu papel na paixão americana pelo comprovado exagero de indulgência.

 

Um estudo anterior de co-autoria de Wansink, por exemplo, constatou que freqüentadores de cinema com um balde enorme de pipoca comerão 45% a 50% mais do que os que comprarem um saco de pipocas um pouco menor, mesmo que a pipoca não esteja crocante. Outro estudo descobriu que, estando ou não com fome, os funcionários de uma empresa irão comer o dia inteiro se a mesa estiver cheia de guloseimas, enquanto outra pesquisa revelou que, quanto maior a parte de cerdas da escova de dentes, mais dentifrício as pessoas usam. E, quando um sortimento de iogurte com três sabores diferentes é oferecido aos consumidores, eles consumirão uma média de 23% mais do que se a oferta fosse de um só sabor.

 

Esse estudo de Kahn e Wansink acrescenta um dado novo e sutil. “É amplamente aceito pelas diferentes disciplinas que o aumento da variedade usual de um sortimento pode aumentar as quantidades consumidas”, afirma. “Mostramos, porém, que a percepção de variedade também pode influenciar o consumo mesmo quando a variedade usual não é modificada.”

 

Isso tem tudo a ver com sugestão, afirma Kahn, que acredita firmemente que, em face do aumento da obesidade e dos problemas de saúde a ela relacionados, os consumidores precisam estar mais conscientes de que as ferramentas de marketing podem estar afetando o seu comportamento. “As pessoas se surpreendem freqüentemente com o tanto que consomem e isso indica que elas podem estar influenciadas inconscientemente em um nível básico ou de percepção”, afirmam Kahn e Wansink.

 

O trabalho descreve o resultado de seis experiências de campo individuais que mostram como o consumo é influenciado pela organização, tamanho e entropia (grau de desordem) de um sortimento de produto. Em uma experiência, por exemplo, os pesquisadores mudaram a organização de 24 tipos de jujuba, medindo o consumo das pessoas quando os confeitos se apresentavam cuidadosamente organizados e depois, quando desarrumados e misturados. É interessante notar que as pessoas consomem mais dos confeitos organizados do que dos misturados.

 

Mas quando Kahn e Wansink ofereceram às pessoas apenas seis sabores de jujuba, elas consumiram significativamente mais do sortimento misturado. “É isso que queremos dizer com percepção de variedade. É relacionado ao número, mas também é devido à forma como o sortimento é exposto. Quando uma variedade menor de cores está misturada, parece haver muito mais variedade do que realmente há. E quando parece haver mais variedade, a tendência é consumir mais”, diz Kahn.

 

E, enquanto é mais importante para pesquisadores, varejistas e fabricantes de alimentos saber que a mera percepção de variedade pode influenciar o consumo, essa “influência inconsciente” sobre os consumidores, diz Kahn, é uma implicação importante da pesquisa. Estudos mostraram que as pessoas possuem menos autocontrole quando estão menos aptas a monitorar seu comportamento. Para os que fazem dieta, os diabéticos ou outros que lutam para controlar o peso, a compreensão de que uma bandeja de festa abarrotada de hors d’oeuvres ou um pote repleto de jujubas podem desafiar esse autocontrole é um passo importante na limitação do consumo. Algo tão simples como a não duplicação de pratos em jantares festivos – a colocação de todo o purê de batata em uma travessa grande em lugar de três travessas menores – também pode ajudar. “Em bufês, o que conta não é somente a quantidade de comida, mas a percepção de variedade”, diz Kahn.

 

Inversamente, nutricionistas de hospitais ou de casas de saúde, ou até os pais de crianças com maus hábitos alimentares, podem oferecer menores quantidades e mais itens, como uma tentativa de estimular o apetite das pessoas sob os seus cuidados.

 

Será que as cadeias de fast food e os fabricantes de alimentos, que atualmente enfrentam uma onda de processos judiciais, acusando-os de responsabilidade na epidemia de obesidade nos Estados Unidos, têm parte da culpa? Kahn diz que é claramente interesse dos consumidores promover estilos de vida saudáveis. “Como acredito que em muitas situações as pessoas comem mais baseadas em sugestões de consumo do que no apetite, as cadeias de fast food e os fabricantes, no mínimo, poderão facilmente vir a ser parte da solução.”

 

“O modelo econômico normal seria comer quando estamos com fome ou comprar aquilo que necessitamos e não comprar o que não necessitamos. Porém, não acreditamos que as pessoas saibam realmente como comer hoje em dia – elas procuram sugestões. E muitas pessoas não percebem que o sortimento de um produto as encoraja a comprar mais. Estamos todos tomando muitas decisões inconscientemente.”

Citando a Universia Knowledge@Wharton

Close


Para uso pessoal:

Por favor, use as seguintes citações para referências de uso pessoal:

MLA

"Seis tipos de jujubas: Como a percepção de variedade influencia o consumo." Universia Knowledge@Wharton. The Wharton School, University of Pennsylvania, [27 August, 2003]. Web. [20 January, 2019] <http://www.knowledgeatwharton.com.br/article/seis-tipos-de-jujubas-como-a-percepcao-de-variedade-influencia-o-consumo/>

APA

Seis tipos de jujubas: Como a percepção de variedade influencia o consumo. Universia Knowledge@Wharton (2003, August 27). Retrieved from http://www.knowledgeatwharton.com.br/article/seis-tipos-de-jujubas-como-a-percepcao-de-variedade-influencia-o-consumo/

Chicago

"Seis tipos de jujubas: Como a percepção de variedade influencia o consumo" Universia Knowledge@Wharton, [August 27, 2003].
Accessed [January 20, 2019]. [http://www.knowledgeatwharton.com.br/article/seis-tipos-de-jujubas-como-a-percepcao-de-variedade-influencia-o-consumo/]


Para fins Educacionais/Empresariais, use:

Favor entrar em contato conosco para usar com novos propósitos artigos, podcasts ou vídeos através do nosso formulário de contato para licenciamento de conteúdo. .

 

Join The Discussion

No Comments So Far